Claro repete proposta da “concorrência”

Postado por: admin Categoria: Notícias

a.crise.nao.e.nossaDepois de protelar ao máximo o início das negociações, só reunindo nos dias 10 e 11/11, o Grupo Claro S.A teve a cara de pau de oferecer 6% de reajuste salarial, índice muito abaixo da inflação, que já supera os 10% e muito inferior ao INPC de setembro, data base da categoria, que foi de 9,88%. A proposta indecente da empresa mostra a articulação das operadoras na tentativa de nos impor um retrocesso: ela repetiu a mesma pouca vergonha da VIVO e TIM, que foi rejeitada pelos trabalhadores.

E não parou por aí. Eles querem unificar o Acordo Coletivo por baixo e impor aos trabalhadores tanto da Claro quanto da Embratel, cortes de conquistas sociais importantes. Isso nós não vamos aceitar! A proposta foi rejeitada, mas a categoria precisa se mobilizar e cobrar reajuste pelo INPC, ganho real e a garantia de suas conquistas.

Congelar de novo, não!

Além do reajuste indecente, o Grupo Claro propôs manter congelado o valor do vale refeição. Em troca a empresa oferece um glorioso abono de 500 reais! Um absurdo inaceitável. Isso significa que os trabalhadores da Embratel ficarão pelo segundo ano consecutivo sem reajuste no benefício e os da Claro, além de não ter o benefício reajustado, também não terão o mesmo unificado pelos valores praticados hoje na Embratel. Vale lembrar que o Grupo Claro se comprometeu em unificar esse benefício em abril deste ano e não o fez.

Unificar por cima

A mesquinhez do Grupo Claro não tem limites. A proposta para unificar Acordo Coletivo é estapafúrdia. Só os trabalhadores serão prejudicados. O objetivo é nivelar por baixo, pelo pior e ainda cortar benefícios sociais importantes e conquistas históricas dos trabalhadores. A empresa, por exemplo, propôs excluir as cláusulas de proteção à aposentadoria, de adiantamento de férias/empréstimo de férias e de adiantamento quinzenal.

A comissão rejeitou a proposta da empresa e exige a unificação do acordo pelo que há de melhor nos acordos atuais da Embratel e da Claro, a manutenção das cláusulas sociais para que os trabalhadores não tenham qualquer perda. Até agora a fusão só foi boa para o Grupo Claro. É hora de estender as vantagens aos trabalhadores.

A HORA É AGORA

A categoria precisa se unir na luta pela garantia de conquistas e por um reajuste que reponha as perdas salariais. Isso só é possível com mobilização.

Só vence quem Luta!

Compartilhar este post

Deixe um comentário


× WhatsApp